Thalles Roberto grava CD com musicas seculares

Thalles Roberto grava CD com musicas seculares

image

Por Thiago Schadeck

Está bombando na internet (uns defendendo e outros criticando) a noticia de que Thalles Roberto – o superstar queridinho gospel – está gravando um CD secular, ou não gospel. Ele gravará músicas que compôs para a sua esposa.
Isso será um grande problema para alguns crentes. Explico: passei toda minha infância e um pedaço da adolescência na igreja. Ouvia que música “do mundo” era consagrada ao capeta e, por isso, ouvi-las era pecado. Conheci excelentes musicos que “se desviaram para tocar por mundo”.
Os crentes tinham os seus genéricos gospel para não perder o que gostavam nos “do mundo”: Não podia ouvir Roberto Carlos, ouvia J Netto. Não podia ouvir Legião Urbana, ouvia Catedral. Mas tinham os “rebeldes”, como eu, que ouviam as músicas do mundo e assumiam o risco de serem amaldiçoados por ela.

Fato é que agora o Thalles anuncia que vai gravar um CD não gospel e que vai “cantar pra Deus e pro mundo”. A sua música romântica vai ser tocada nas principais rádios do Brasil.

Sou um critico declarado do Thalles. Suas atitudes e músicas tem pouco de cristão e não o vejo como esse super ungido que muitos vêem. Mas não sou idiota a ponto de dizer que ele seja um mau músico, pelo contrário, tem uma técnica incrível.
O Thalles gravando música do mundo acaba com alguns problemas e criticas que ele tinha que enfrentar:
– Suas músicas seculares poderão usar a licença poética a vontade e não terão status de inerrantes.
– Ele poderá cobrar R$ 1 MILHÃO de cachê, se quiser.
– Poderá encarar a música realmente como uma profissão, sem ter que maquiá-la de ministério.
– Se não pagarem pelo show, ele não vai e terá respaldo juridico pra isso – lembrando que é uma prestação de serviço.

Isso também abrirá a mente de alguns crentes que pensam que ouvir “música do mundo” é pecado, mas cantam Sabor de Mel e similares em seus “cultos” a Deus.

Como disse a alguns amigos: é melhor o Thalles cantando secular que gospel. Fica menos prejudicial à Igreja. Ele vai mostrar o quão profissionalmente bom ele é para quem quer consumir o que ele pode oferecer de melhor, entretenimento!

Que Deus abençoe sua igreja e que possamos entender que nem tudo que é “do mundo” é do diabo e nem tudo que é “gospel” é de Deus.

Comentários no Facebook