Identidade de Gênero defendida no Criança Esperança é porta aberta à pedofilia

Identidade de Gênero defendida no Criança Esperança é porta aberta à pedofilia

Por Thiago Schadeck

O apoio aberto e declarado da Rede Globo à Identidade de Gênero:

Nesse final de semana aconteceu o ‘Criança Esperança’, projeto da Rede Globo em parceria com a UNESCO para arrecadar doações que ajudem a manter os projetos assistidos pela emissora carioca. Não vou me ater aqui ao fato de haver desconfianças de que a Globo usa o Criança Esperança para pagar menos Imposto de Renda, porque não há provas e não perderei tempo fazendo conjecturas. Também não vou me apegar ao fato dela ter bilhões de lucro e não reverter parte dele para esse projeto que, segundo ela mesmo, é tão importante, porque isso é um problema dela. Os seus acionistas são livres para fazer o que quiser com o dinheiro que ganham através da emissora.

Sendo ssim, quero falar objetivamente sobre os ideais que são divulgados pela Globo (e por outras emissoras, em menor escala) em sua programação. O programa “Encontro com Fátima Bernardes” faz abertamente apologia ao aborto, identidade de gênero, drogas, homossexualismo, feminismo dentre outros temas tidos como tabus pela “sociedade conservadora”. O “Profissão Reporter”, programa de Caco Barcellos que supostamente usa os jovens reporteres para cobrirem todos os lados da notícia é por muitas vezes – pra não dizer todas – tendencioso. “Amor & Sexo”, apresentado pela Fernanda Lima, como o próprio nome diz, aborda temas sexuais e sobre relacionamento. Claro que sempre sobre uma ótica liberal e que estimule a “diversidade”. Isso sem contar as novelas, as minisséries e filmes produzidos pela emissora, que sempre trazem algum tema polêmico para tentar enfiar a aceitação goela abaixo na sociedade. Atualmente a novela “A Força do Querer” traz Ivana, uma moça que não se aceita como alguém do sexo feminino e deseja, a qualquer custo e enfrentando o que enfrentar, transformar seu corpo e se tornar um homem. Além de todos os casais homossexuais que fazem as pessoas torcerem para que fiquem juntos no final. Tem também as traições que destroem uma família para construir outra, ou quando chega aos extremos, como o personagem do Alexandre Borges, que tinha quatro esposas ao mesmo tempo e quando descobriram ficaram amigas.

Deu para perceber o quão podre é a programação dessa emissora, não só a dela, mas é a que mais evidencia isso. Porém toda essa programação é voltada a ter lucro e atender a um público adulto, que sabe o que deve ou não assistir. O problema quanto ao Criança Esperança é que ele usa crianças e tem forte apelo ao público infantil. Até a edição do ano passado (31ª) a Globo foi extremamente sútil quanto a assuntos mais polêmicos, mas nesta edição (32ª) eles escancararam o que defenderão à partir de agora. O slogan “A sua esperança não está sozinha” é parte da jogada de marketing dos organizadores para dizer às crianças que eles estão ao lado delas em qualquer situação, inclusive na transexualidade.

Querem facilitar que as crianças troquem de sexo:

Existe uma lei tramita no Congresso Nacional, de autoria dos deputados Jean Willys (PSOL) e Erika Kokay (PT), que visa “ajudar” as pessoas que nasceram em um corpo que não se enquadram à sua visão de mundo. Nesse projeto de lei (colocarei o link para o download do projeto completo no final desse texto) a palavra “autopercebido” se repete por várias vezes.

Buscando sobre o tema na internet, descobri que há um CID (Cadastro Internacional de Doenças) que trata disso, o CID 10 – F64. Ele classifica a Identidade de Gênero, inclusive a infantil, como uma doença psíquica.

Resumindo, você se não é necessariamente o que todo mundo vê, mas o que você se sente. Nessa toada, o projeto tem como carro chefe a assistência às pessoas que se autopercebem em um corpo do sexo oposto ao que nasceu, independente da idade.

Vejamos alguns pontos dessa lei demoníaca:

Artigo 2º – Entende-se por identidade de gênero a vivência interna e individual do gênero tal como cada pessoa o sente, a qual pode corresponder ou não com o sexo atribuído após o nascimento, incluindo a vivência pessoal do corpo.

No caso de cirurgia para a troca de sexo, o artigo 8° é bem claro que a solicitação de mudança no corpo, seja hormonal ou cirúrgica deverá ser feita sem a solicitação de qualquer tratamento ou laudo psicológico. Será que é porque sabem que isso é um distúrbio?

Artigo 8º – Toda pessoa maior de dezoito (18) anos poderá realizar intervenções cirúrgicas totais ou parciais de transexualização, inclusive as de modificação genital, e/ou tratamentos hormonais integrais, a fim de adequar seu corpo à sua identidade de gênero auto-percebida.

§1º Em todos os casos, será requerido apenas o consentimento informado da pessoa adulta e capaz. Não será necessário, em nenhum caso, qualquer tipo de diagnóstico ou tratamento psicológico ou psiquiátrico, ou autorização judicial ou administrativa.

Note que o artigo 8° se refere aos indivíduos de idade, que já sabem o que querem da vida e devem ter discernimento para decidir se querem ou não trocar de sexo. Porém a parte mais demoníaca desse projeto de lei vem no parágrafo segundo:

§2º No caso das pessoas que ainda não tenham de dezoito (18) anos de idade, vigorarão os mesmos requisitos estabelecidos no artigo 5º para a obtenção do consentimento informado.

Os menores de idade, crianças e adolescentes que deveriam ser protegidos pelo ECA, terão agora o direito de mutilarem seus corpos ainda em formação e sob a tutela do Estado. Nesse parágrafo é citado o artigo 5°, estrategicamente colocado separado, mas que diz o seguinte:

Artigo 5º – Com relação às pessoas que ainda não tenham dezoito (18) anos de idade, a solicitação do trâmite a que se refere o artigo 4º deverá ser efetuada através de seus representantes legais e com a expressa conformidade de vontade da criança ou adolescente, levando em consideração os princípios de capacidade progressiva e interesse superior da criança, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente.

§1° Quando, por qualquer razão, seja negado ou não seja possível obter o consentimento de algum/a dos/as representante/s do Adolescente, ele poderá recorrer a assistência da Defensoria Pública para autorização judicial, mediante procedimento sumaríssimo que deve levar em consideração os princípios de capacidade progressiva e interesse superior da criança.

A lei diz expressa e claramente que o menor de idade que quiser trocar de sexo terá todo o apoio em fazer. Não será permitido que ninguém, nem mesmo os pais, se oponham. O Estado assume a responsabilidade de viabilizar a mutilação de nossos filhos. Sem laudo psicológico, sem acompanhamento, sem suporte pós cirurgia. Simplesmente faça a cirurgia e seja feliz, ou não, pelo resto da vida.

Ah, se depois disso a pessoa se arrepender, infelizmente os autores da lei não planejaram. Até porque, eles dão todo o apoio para quem quer deixar de ser hetero, mas reciminam com todas as forças os que buscam deixar a homossexualidade, transexualidade, transgênero e etc.

Espero estar muito errado, mas certamente veremos inclassificáveis suicídios em breve. Uma decisão desse peso, tomada de forma errada, vai trazer um peso insuportável para a vida dessas pessoas. Que a responsabilidade recaia sobre aqueles que apoiam essa insanidade.

Por que a Ideologia de Gênero é uma porta aberta à pedofilia?

Se você leu até aqui com atenção, exceto quando disse e repito que esse é um projeto demoníaco, não entrei aqui em no mérito religioso. A discussão aqui é apenas no ramo do que a ciência diz. Isso é um transtorno psíquico.

Essa lei abrirá uma porta enorme para que alguém pego praticando a pedofilia saia ileso de qualquer acusação. Basta que no momento do flagrante ele alegue que se vê como uma criança. Olha a expressão autopercebido entrando em cena novamente, o pedófilo se autopercebe uma criança e portanto pode ter relações sexuais com ela sem problema. Segundo os deputados dementes que propuseram essa lei, o gênero sexual é apenas uma construção social e nada tem a ver com os órgãos sexuais. Seguindo essa lógica imbecil, logo também considerarão a idade como uma imposição social e que cada poderá ter a idade que quiser.

A esquerda introduz sutilmente suas ideologias através de seus braços midiáticos e educacionais e se não tomarmos cuidado agora, em breve o estrago será irreversível. Se nos calarmos, seremos culpados pela omissão e pagaremos cara em um futuro muito próximo. Questione os defensores dessa ideia e veja o quão perigosos são, em todos os sentidos.

Que Deus tenha piedade de nosso país e nossos filhos.

Comentários no Facebook