Mês: julho 2017

PARÁBOLA: A TABUADA E A BÍBLIA

PARÁBOLA: A TABUADA E A BÍBLIA

Por Thiago Schadeck

Um garoto fazendo sua lição de matemática deveria colocar em uma folha todas as tabuadas, do 1 ao 10. Por ter muita dificuldade com números, pediu ajuda a mãe que pacientemente o ensinou a resolver cada questão. Em poucas horas o garoto era capaz de falar de cór e salteado qualquer resultado das tabuadas que havia estudado e estava irradiante por isso.

  • “Sou o novo gênio da matemática!” – gritava ele.

Vendo aquilo, sua mãe o chamou para conversar e lhe explicou que a matemática não se resumia à tabuada e que existiam temas dentro da própria matemática que eram infinitamente mais complexas que aquilo que ele tinha conseguido decorar.

-“Meu filho, saber a tabuada de cór significa que você compreendeu uma partícula muito pequena da matemática. Algo muito significativo para alguém de sua idade, mas é o básico da matéria. Para se considerar um conhecedor da matéria você precisa se dedicar a muito mais que decorar uma porção de contas simples. É necessário saber interpretar os números e atender às demandas, sejam de quais áreas forem.” – explicou a mãe.

A semelhança do garoto com os crentes de hoje:

Muiros crentes pensam que por saber meia dúzia de versículos de cór já são mestres em bíblia e que são os novos gênios da teologia.

O problema em comum entre o garoto e a nossa geração gospel é que eles sabem uma partícula da matéria – matemática para o garoto e bíblia para os crentes – mas não sabem o que fazer com isso. Os crentes são capazes de citar dezenas de versículos pela memória, mas não conseguem explicar o mais simples contexto no qual estão inseridos e qual seria sua aplicação para os dias de hoje. Isso acontece principalmente com Malaquias 3:8-10, sobre os dízimos e os homens que roubam a Deus; Filipenses 4:13, em que tudo posso naquele que me fortalece; Mateus 6:33, acerca de buscar primeiro o reino de Deus e ter as demais coisas acrescentadas. Claro que esses são apenas alguns, existem muitos outros.

Talvez a nossa geração seja a que mais tem versículos decorados, afinal eles são incutidos sistematicamente na mente das pessoas para manupulá-las àquilo que se deseja alcançar delas. Não precisam explicar o que significa “poder tudo naquele que nos fortalece”, só é necessário que a pessoa acredite que ela tem superpoderes celestiais. Por que fazer as pessoas se preocuparem com a salvação etrerna, se o que eles querem mesmo é ouvir que são o xodózinho de Jeová? Lamentavelmente, os crentes não sabem ao menos o básico de bíblia.

Resumindo: para ser um matemático ou um cristão verdadeiro é necessário muito mais que saber um pequeno trecho do todo. O verdadeiro cristão tem sede de conhecer mais sobre seu Senhor, através de Sua Palavra.

Não se contente apenas em saber o que a Bíblia diz, mas em aplicar tudo o que ela ensina.

Compartilhe com seus amigos Compartilhe com seus amigos

FILHA DE JOSÉ WELLINGTON BEZERRA DA COSTA PROFETIZA QUE JOÃO DÓRIA SERÁ PRESIDENTE

FILHA DE JOSÉ WELLINGTON BEZERRA DA COSTA PROFETIZA QUE JOÃO DÓRIA SERÁ PRESIDENTE

“Sei que o propósito do senhor é este. Sei que Deus tem outros voos para você. Vejo nisso tudo um grande plano de Deus para esta nação. Nosso povo, João, tem estado de joelhos orando por socorro”, disse Rute Costa, filha de José Wellington Bezerra da Costa.

Não foi a primeira e provavelmente não será a última vez que um encontro entre João Doria e líderes evangélicos termina com clamores para que o prefeito de São Paulo seja o candidato do PSDB à Presidência em 2018.

Mas a reunião de Doria com mais de 150 pastores na noite desta sexta-feira (7) teve um componente inédito: os gritos de “glória a Deus” e “amém”, reações sempre que alguém levantava a hipótese de uma candidatura presidencial, foram proferidos na sede do Executivo paulistano.

Segundo presentes, a Prefeitura jamais havia abrigado um evento para evangélicos, ao menos não um com aquelas proporções.

O evento foi orquestrado pelo presbítero Geraldo Malta e pelo pastor Luciano Luna, assessores religiosos informais do prefeito. A mesma que organizou cerimônia similar para o governador Geraldo Alckmin um mês atrás, no Palácio dos Bandeirantes.

A reunião na Prefeitura foi maior (mais do que o dobro de presentes) e, segundo pastores que conversaram com a Folha, mais genuína. No Bandeirantes, Alckmin foi saudado como bom nome para disputar as eleições presidenciais, mas o coração do segmento estaria com Doria.

O encontro no sétimo andar do prédio onde o prefeito despacha durou uma hora e meia, ensanduichado por uma oração de abertura e outra de encerramento.

Os pastores se alternavam em discursos polvilhados com tom de campanha nacional enquanto Doria sorria numa mesa com seu vice-prefeito, Bruno Covas, e três de seus secretários –Julio Semeghini (Secretaria de Governo), Eloísa Arruda (Direitos Humanos) e Filipe Sabará (Desenvolvimento Social).

“Mais de 80% do segmento evangélico do país” estava ali representado, disse Malta ao microfone.

“Hoje o senhor está aqui, mas quero te ver lá”, disse a vereadora Rute Costa (PSD), filha de José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus do Brasil.

Dizendo falar em nome do pai, Rute continuou: “Sei que o propósito do senhor é este. Sei que Deus tem outros voos para você. Vejo nisso tudo um grande plano de Deus para esta nação. Nosso povo, João, tem estado de joelhos orando por socorro”.

A vereadora comparou o prefeito a David, que trava uma batalha bíblica contra o gigante Golias. “Ele não era alto, era baixo. E era valente. Como Doria também é. O que o senhor fez na cracolândia foi valente.”

Ligado à Assembleia de Deus, o vereador João Jorge (PSDB) tinha puxado o coro presidencial minutos antes. “Ninguém falou aqui ainda, mas se ano que vem [o sr. concorrer]…” O público reagiu com um coro de “amém”.

Jorge prometeu entregar dois projetos de lei na Câmara Municipal: um para facilitar a obtenção de alvarás para igrejas e outros com uma versão “mais realista” da lei do Psiu, que costuma punir instituições evangélicas por cultos barulhentos.

“É um constrangimento para nós [ser penalizado], João, acha que isso nos agrada? No dia seguinte a imprensa bate na gente, bate no senhor”, disse.

Jorge louvou Doria como “um homem de Deus que não fala palavrão, não bebe, não fuma”. O próprio prefeito reforçou as credencias de bom moço. “Minha formação cristã, católica, me fez distante de bebida, tabaco.”

O tucano contou que começou a se aproximar do segmento evangélico nas prévias partidárias que o ungiriam candidato de seu partido em 2016. “Fui gradualmente me entusiasmando. Me senti completamente dominado, feliz.”

Os líderes religiosos também celebraram a sanção sem vetos do PPI (Plano de Parcelamento Incentivado) aprovado na Câmara Municipal, que prevê anistia a dívidas de igrejas.

Na saída do encontro, cada convidado recebeu uma caixa de vitaminas com o rótulo DoriaVit(“especialmente formulado para o trabalhador”), que continha o aviso: “Contém alta dosagem de trabalho”.

Fonte: Folha

Compartilhe com seus amigos Compartilhe com seus amigos

DEUS NÃO ESTÁ PREOCUPADO COM NÚMEROS?

DEUS NÃO ESTÁ PREOCUPADO COM NÚMEROS?

Realmente Deus não se interessa por números, o interesse Dele é com as pessoas. Ele deu a vida do seu único filho por amor ao mundo!

Por Thiago Schadeck,

Com certeza você já ouviu alguém, principalmente se congrega em uma igreja pequena, dizendo: “Deus não está preocupado com números, ele quer qualidade!”. Concordo em partes, como explicarei à diante. Porém, não podemos usar isso como uma desculpa para nos acomodarmos em nossa zona de conforto e deixar a igreja crescer lentamente. Eu mesmo já tive esse pensamento, mas Deus vem mudando meu entendimento ao longo do tempo.

Vamos ver o que a Bíblia diz sobre o crescimento da igreja.

Em uma única pregação de Pedro, mais de três mil pessoas se converteram:

“Com muitas outras palavras os advertia e insistia com eles: ‘Salvem-se desta geração corrompida!’ Os que aceitaram a mensagem foram batizados, e naquele dia houve um acréscimo de cerca de três mil pessoas.” (Atos dos Apóstolos: 2:40-41)

Note que não foram atraídos por falsas promessas de que teriam uma vida de plena paz, saúde e prosperidade financeira, pelo contrário, eles foram convencidos de que Cristo era o Salvador, o Messias prometido que Deus enviaria para salvar o seu povo. Não era um evento diferentão, não tocava as músicas pop da época e tampouco tinham artistas gospel cantando para ‘preparar’ o povo para a mensagem. O crescimento se deu por conta do derramar do Espírito Santo, que encheu os discípulos e deu a autoridade e intrepidez que Pedro necessitava, além disso, o mesmo Espírito convenceu aquelas pessoas que o ouviam do pecado, da justiça e do juízo.

Com uma pregação dessas, que troxe a consciência de quão pecadores eram e que entenderam que sem Cristo jamais poderiam ser salvos por conta própria ou apoiados na lei. 

Não muito tempo depois, eram cinco mil convertidos:

Mas, muitos dos que tinham ouvido a mensagem creram, chegando o número dos homens que creram a perto de cinco mil. (Atos dos Apóstolos: 4:4)

A Igreja continuou crescendo porque os apóstolos não pararam de pregar. Como aconteceu com Pedro em pentecostes, os outros apóstolos também foram cheios do Espírito Santo e pregavam com ousadia. Além disso, eles estavam sempre reunidos orando, ouvindo a Palavra e compartilhando o pão. Isto é, eles tinham a comunhão necessária para que Deus se agradasse deles e derramasse as suas bençãos (Salmos 133:1-3).

Se Deus não está preocupado com números, por que Jesus mandou pregar à todos?

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Marcos 16:15)

É claro que as pessoas serão convencidas pelo Espírito Santo, mas isso não nos isenta de nossa responsabilidade de pregar a todos aqueles que não conhecem ao Senhor. A grande comissão consiste em anunciar a salvação única e exclusivamente pelo sacrifício vicário de Cristo, em que fomos comprados por seu sangue.

Jesus mandou quer sua casa cheia nas bodas do Cordeiro:

“O servo voltou e relatou isso ao seu senhor. Então o dono da casa irou-se e ordenou ao seu servo: ‘Vá rapidamente para as ruas e becos da cidade e traga os pobres, os aleijados, os cegos e os mancos’. “Disse o servo: ‘O que o senhor ordenou foi feito, e ainda há lugar’. “Então o senhor disse ao servo: ‘Vá pelos caminhos e valados e obrigue-os a entrar, para que a minha casa fique cheia. (Lucas 14:21-23)
Claro que aqui, em um primeiro momento, Jesus não quer qualidade, mas a quantidade mesmo. Não é possível selecionar a qualidade de uma pessoa sem antes conhece-la muito bem. 

Cristo chamou a pior espécie de gente da época: pobres, aleijados, cegos e mancos. Basicamente eram os inúteis de sua época, aqueles que viviam de esmolas. Certamente que Cristo transformaria suas vidas com o bem mais valioso do mundo e que nenhum dos ricos que lhes desprezavam poderiam dar, a vida eterna. Humilhados aqui na terra, mas honrados com a coroa da vida no céu. Corpos defeituosos na terra, mas com corpos glorificados na eternidade. Sofredores na terra, vida abundante na glória.

Cristo chama para uma completa transformação. Não cabe a nós decidir quem tem ou não as qualidades necessárias para que Ele cumpra seus planos. Ao contrário, ele usa a nossa incapacidade à favor de Seu Reino!

Existem ainda outros tantos textos que falam sobre o chamado de Cristo e o crescimento da Igreja, como a parábola da grande rede em que vem todo tipo de peixes, as igrejas que Paulo plantou ao longo de suas três viagens missionárias. A Igreja que começou com apenas um homem, Jesus, e logo tinham doze, setenta, quinhentos, três mil, cinco mil e que hoje tem uma quantidade incontável deve ser o maior exemplo de que Cristo quer que sua igreja cresça.

Apenas reforço que desde os tempos bíblicos a igreja cresce quando há pregação fiel às escrituras, pois elas dão testemunho de Cristo e anunciam a vida eterna

PASTOR DOA RIM PARA UM MEMBRO DE SUA IGREJA

PASTOR DOA RIM PARA UM MEMBRO DE SUA IGREJA

Basílio Montez diz que foi instruído por Deus a fazer a doação

Pastor doa rim para um membro de sua igreja

A igreja Batista da Terra Santa, na cidade de Cameron, Texas, vivenciou uma rara oportunidade de ver-se o amor cristão sendo praticado.

O pastor Basílio Montez disse estar obedecendo a Deus quando decidiu doar um de seus rins para Jesus Cerecerez, um membro antigo da congregação.

Dois anos atrás, quando descobriu que sofria de uma grave doença renal e precisaria de um transplante para sobreviver, Cerecerez começou a orar por um doador. O pastor Montez afirma que Deus o orientou para se oferecer. Após os exames, descobriram que eles eram compatíveis, algo extremamente raro nesses casos.

Eles deram prosseguimento ao processo que terminou com a cirurgia e depois de algumas semanas de recuperação, ambos estão iniciando uma nova fase de suas vidas. 

Cerecerez disse que ainda está comovido, e que a sensação é inexplicável. O líder religioso afirma que está feliz por ter “embarcado nessa jornada de fé”.

“Eu recuperei minha vida e mal posso esperar para saber o que mais Deus tem para mim”, disse Cerecerez.
A maior parte da vida de Montez foi dedicada à oração, pregação e aconselhamento, mas ele diz que é uma honra maior receber o chamado para salvar uma vida.

“Louvamos a Deus por tudo o que Ele tem feito”, disse o pastor. “Pela cura que Ele tem operado e que tudo sempre seja para sua honra e sua glória”. Disse ainda que faria tudo de novo, se pudesse.
Com informações CBS

Via: Gospel Prime

Compartilhe com seus amigos Compartilhe com seus amigos

PASTOR DIZ QUE FOI AO INFERNO E MATOU O DIABO

PASTOR DIZ QUE FOI AO INFERNO E MATOU O DIABO

A imprensa sul-africana divulgou nas últimas horas uma postagem no Facebook do pastor Paseka Motsoeneng, também conhecido como Pastor Mboro, onde ele afirmava ter ido ao inferno e matado o diabo.

O religioso escreveu que foi até o inferno e chegando lá viu “uma fila de milhões de pessoas esperando para serem amaldiçoadas pelo Satanás” e que ele, inclusive viu muitos políticos da África do Sul nessa fila.
“Fiquei tão chocado porque eles viveram como anjos aqui na Terra. Eu pensava que eles estavam no céu”, declarou o pastor ao falar sobre os políticos que viu no inverno.
Ainda na postagem, ele afirmou que Satanás o viu e entrou em pânico por saber que ele seria morto. “Quando Satanás me viu, ele entrou em pânico e enviou seu exército para me matar. Como Sansão na Bíblia, eu os derrotei e Satanás foi a minha última vítima”, declarou o pastor.
Segundo o site Daily Voice, o primeiro a publicar a história do pastor, por conta das críticas que Motsoeneng recebeu nas redes sociais, ele acabou apagando a postagem.

Todo cristão sabe que Satanás terá seu merecido fim dado pelo próprio Deus, como lemos em Apocalipse. Logo a versão do pastor Mboro é uma das várias mentiras que ele tem contado aos seus seguidores.
Segundo o Daily Voice, no ano passado o mesmo religioso disse aos seus fiéis que tinha ido até o céu. Isso aconteceu durante a Páscoa e lá ele tirou fotos usando seu smartphone da Samsung.
O site diz que o religioso vendeu as imagens “do céu” por 5 mil rands, que em real daria cerca de R$ 1.251. E não foi só isso, ele fez uma campanha cobrando 10 mil rands para levar pessoas até o céu.
Outra mentira contada por ele, foi que ele teria “recebido de Deus” uma BMW i8 avaliado em 2 milhões de rands, presente este dado a ele por “ter ajudado os pobres”. “A Bíblia diz que aqueles que cuidam dos pobres serão exaltados por Jesus. Eu tenho ajudado os pobres. Deus me recompensou com um i8”, disse o pastor.

Com informações de Daily Voice

Via Mulheres Sábias

Compartilhe com seus amigos Compartilhe com seus amigos

A CRISE É O PRELÚDIO DO AVIVAMENTO

A CRISE É O PRELÚDIO DO AVIVAMENTO

Os grandes avivamentos da história aconteceram em tempos de crise. Não nasceram do útero da bonança, mas foram gestados com dores e lágrimas em tempos de sequidão, diz Hernandes D. Lopes

Os grandes avivamentos da história aconteceram em tempos de crise. Não nasceram do útero da bonança, mas foram gestados com dores e lágrimas em tempos de sequidão. A crise nunca foi impedimento para a ação soberana de Deus. É quando os recursos dos homens se esgotam que Deus mais visivelmente manifesta o seu poder. É quando todas as portas da terra se fecham é que Deus abre as janelas do céu. É quando o homem decreta sua falência, que o braço do onipotente mais se manifesta.

​O Brasil está vivendo, possivelmente, a sua mais aguda e agônica crise desde o seu descobrimento. A nação está rubra de vergonha, diante da desfaçatez de políticos e empresários que domesticaram os poderes constituídos, para assaltarem a nação e sonegarem ao povo o direito de viver dignamente. O profeta Miquéias, já no seu tempo, identificou esse conluio do crime, quando escreveu: “As suas mãos estão sobre o mal e o fazem diligentemente; o príncipe exige condenação, o juiz aceita suborno, o grande fala dos maus desejos de sua alma, e, assim, todos eles juntamente urdem a trama” (Mq 7.3). A corrupção chegou ao palácio, ao parlamento, às cortes e em setores importantes do empresariado. Um terremoto devastador atingiu as instituições, abalou a economia e enfraqueceu a indústria e o comércio. A carranca da crise é vista na desesperança dos mais de quatorze milhões de desempregados em nosso país. A morte se apressa para aqueles que não têm direito a uma assistência digna nos hospitais, sempre lotados e desprovidos de recursos. Os acidentes trágicos se multiplicam porque nossas estradas estão sucateadas. A educação se enfraquece porque as escolas públicas, em muitos lugares, estão entregues ao descaso. Líderes com muito poder e apequenado caráter, favorecem os poderosos e tiram o pão da boca dos famintos, fazendo amargar a vida de um povo já combalido pela pobreza e desesperança.

Nesse cenário cinzento, muitas igrejas, por terem se afastado da sã doutrina e por terem tergiversado com a ética, perderam a capacidade de exercer voz profética. Não confrontam os pecados da nação, como consciência do Estado, porque primeiro precisam embocar a trombeta para dentro de seus próprios muros. Há um silêncio gelado, um conformismo covarde, um torpor anestésico. Há igrejas cheias de pessoas vazias de Deus. Há igrejas onde os púlpitos já baniram a pregação fiel da palavra de Deus. Há igrejas onde o antropocentrismo idolátrico substituiu a centralidade de Cristo. Há igrejas mornas, apáticas, amando o mundo, sendo amigas do mundo e conformando-se com o mundo. Há igrejas que parecem um vale de ossos secos. Perdeu-se a vitalidade. Perdeu-se o vigor. Falta um sopro de vida!

​É nesse momento de prognósticos sombrios, que devemos nos humilhar sob a poderosa mão de Deus. É imperativo converter-nos dos nossos maus caminhos e orarmos, buscando a face do Senhor, a fim de que ele perdoe nossos pecados, restaure a nossa sorte e sare a nossa terra. O avivamento começa com a igreja e partir dela reverbera para o mundo. O avivamento é uma obra soberana do Espírito Santo que vem, como torrentes do céu, sobre a terra seca. A água é derramada sobre o sedento e as torrentes sobre a terra seca. O Espírito Santo é derramado sobre um povo que anseia por Deus mais do que pelas bênçãos de Deus. É quando decretamos nossa falência, nos convertemos dos nossos maus caminhos e nos prostramos diante de Deus, para desejarmos ardentemente sua presença manifesta, é que ele traz sobre nós o seu renovo. Então, a igreja florescerá como salgueiros junto às correntes das águas. Então, os crentes se levantarão para dizer: “Eu sou do Senhor”. Então, não haverá mais abismo entre o que se prega e o que se vive, porque os crentes escreverão na própria mão: “Eu sou do Senhor”. Oh, que Deus levante sua igreja e restaure a nossa nação! Oh, que nesse tempo de crise e sequidão caia sobre nós as torrentes abundantes do Espírito Santo!

Vi no pulpitocristao.com 

Por Hernandes Dias Lopes
Fonte: Palavra de Verdade
Imagem: reprodução

Compartilhe com seus amigos Compartilhe com seus amigos