Mês: Janeiro 2017

Não abandone a Igreja!

Não abandone a Igreja!

Nos últimos anos o número de “desigrejados” – termo usado para definir àqueles que desistiram de congregar em igrejas estruturadas para viver sua fé de forma mais “livre” – tem crescido assustadoramente. As estatísticas apontam que cerca de um terço dos que se denominam evangélicos não congregam. Esse fenômeno acontece por diversos fatores, alguns justificáveis e outros nem tanto. Há quem se decepcionou de forma tão profunda que não consegue superar e infelizmente não ultrapassa essa barreira, ainda que em outra igreja. Por outro lado, há os que abandonam a congregação pelo simples fato de serem rebeldes e não aceitarem ter de prestar contas a alguém.
Ando pensando muito acerca desse tema nos últimos tempos e listarei alguns motivos pelos quais creio que não devamos abandonar a congregação:
Na igreja somos multuamente edificados:
Quando a igreja se reune, temos a oportunidade de sermos edificados mutuamente. Apesar de haver uma hierarquia, todos tem algo a ensinar e a aprender. Como representação do Corpo de Cristo (2 Coríntios 12:12-27), cada membro desse organismo têm sua função e utilidade no bem comum. Como o apóstolo Paulo bem escreveu em sua primeira carta aos Coríntios, a igreja é uma engrenagem que bem ajustada e movida pelo empenho e dedicação de todos, funciona espiritualmente perfeita.
Que fazer, pois, irmãos? Quando vos congregais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação. (1 Coríntios 14:26)
A igreja é uma família:
Você conhece alguma família que não tenha problemas e umas brigas de vez enquando? Se sua resposta foi sim, ou você não os conhece tão bem ou eles não vivem tão próximos como deveriam. A igreja – ajuntamento dos salvos – têm problemas e falhas, justamente por ser formada por pessoas imperfeitas e pecadoras, como você e eu, mas isso não pode ser forte o suficiente para que desistamos dela. Da mesna forma que não desistimos – ou não deveríamos desistir – de nosso casamento na primeira crise, ou que não desistimos de nosso trabalho no primeiro feedback ruim, também devemos insistir na igreja.
Sei que em algumas situações a coisa fica insustentável e a saída é a única solução, assim como em alguns casos temos de nos afastar de alguns parentes para não termos maiores problemas, o que não nos pode fazer pensar que nenhuma família dará certo mais. Que nosso amor pela igreja seja tão grande quanto pela nossa família.
Se não gostamos dos membros da Igreja de Cristo aqui na terra, por quê desejaríamos passar a eternidade ao lado deles?
A igreja é a forma de manifestar o Reino de Deus:
Você pode discordar e pensar que sozinhos nós também conseguimos manifestar o Reino. Sim, é possível, porém em proporções muito menores. Se a Igreja estiver de fato empenhada nesse propósito a manifestação de Espírito Santo é quase inevitável. Não digo aqui de manifestações esdrúxulas, mas de mostrar as obras de nosso Deus!
Quando a igreja está unida e disposta a fazer a diferença as coisas acontecem. Existem diversas creches, orfanatos, escolas, cursos profissionalizantes, abrigos mantidos por igrejas. Bem como há diversos profissionais cristãos que doam seu tempo para ajudar os necessitados, como psicólogos, médicos, dentistas e etc. Se a igreja não age em favor dos mais necessitados, ela não pode ser considerada imitadora de Jesus. Para a igreja manifestar o Reino não pode haver ninguém passando necessidade. Uns podem ter mais e outros menos, mas ninguém pode ter falta.
Você pode ser um agente de mudança na igreja:
Quando converso com os “desigrejados” e busco saber o motivo que os fez desistir de congregar e continuar vivendo como igreja, em sua forma visível, tenho ao menos 3 respostas:
Tinha muita coisa errada:
Sério mesmo? E vai dizer que a igreja primitiva que você diz ter como modelo – apenas desculpa para ficar em casa e fazer “culto” com os amigos – era perfeita. Lembre-se: os diáconos foram instituídos para corrigir o problema das viúvas que não eram judias e estavam sendo esquecidas. Aos gálatas, Paulo teve de escrever uma carta trazendo-os de volta para o Evangelho de Cristo, pois já estavam se desviando para um outro evangelho, criado por homens. Na igreja de Corinto havia quem dormisse com madrasta e os que se embebedavam na ceia. Resumindo, a igreja aqui na terra nunca foi e nem será perfeita. Só alcançaremos a perfeição ao soar da trombeta, no arrebatamento (1 Coríntios 15:50-58).
Não estou aqui dizendo que os erros devem ser tolerados, ao contrário, devem ser combatidos pelos que o veem e devemos gastar energia tentando levar a igreja aos trilhos. Desistir e deixar que as pessoas continuem no erro, além de não ter nada de cristão ainda é uma covardia.
Ninguém se importa com os outros, quando eu faltava ninguém percebia:
E a pergunta que fica é: e quando as outras pessoas faltavam, você percebia? Quantas vezes pediu o telefone de alguém que sabia estar fraco e ligou ou foi fazer uma visita? É fácil sentar a bunda – desculpe o termo – na frente do computador e vomitar um monte de reclamações sem nunca ter movido uma palha em favor da igreja, sem nunca ter ido atrás daqueles que ficavam pelo caminho, exceto raríssimas exceções, quando eram seus amigos. Não quero generalizar, mas pelo que vejo ao longo de minha caminhada de fé é isso. Pessoas que nunca se envolveram emocionalmente com as outras pessoas, tem apenas um relacionamento superficial e querem ser amadas. O amor das demais pessoas vem através de suas atitudes de amor. Não espere ser amado sem amar.
Fui expolrado!
Essa resposta é, na minha opinião, a mais justificável quando se trata de “abandonar” a igreja. Pessoas exploradas, seja em qual área for, criam traumas sérios e que afetam diversos pontos de suas vidas. Que já foi explorado passa a ter problemas graves de autoestima e confiança. Se veem como a pessoa mais burra do mundo, pois não percebeu que estava sendo explorado e todos passam a ser um explorador em potencial. Não podemos fazer vistas grossas e concordar que existem muitas igrejas exploradoras por aí, mas não podemos ser tolos ao ponto de dizer, como muitos fazem, que já não há mais igrejas saudáveis e que todas estão corrompidas.
As igrejas precisam iniciar um trabalho para resgate dessas pessoas com urgência! Não podemos deixar que lobos famintos arranquem as ovelhas do aprisco do Senhor. Sejamos àqueles em quem elas confiam e o conduzamos de volta à comunhão dos santos.
Que você reflita se realmente todas as igrejas estão erradas ou se é a sua visão que está turva por conta de sua infantilidade espiritual. Só tem direito de criticar a igreja quem está nela e lutando para corrigir o que há de errado!

Carta de um pastor reformado a um jovem de sua igreja

Carta de um pastor reformado a um jovem de sua igreja

A paz do Senhor, meu caro jovem!

Tenho percebido sua dedicação e ímpeto em conhecer mais as doutrinas da graça, descobertas há pouco por você. Sei que nessa fase queremos mostrar a todos que agora conhecemos a verdade de fato. Como é bom saber que fomos escolhidos por Deus mesmo antes do haja luz. É tão seguro saber que não é pelo nosso esforço que alcançaremos a salvação, mas pela obra perfeita de Cristo. Infelizmente essa é uma verdade que nem toda a igreja de Cristo conhece, mas isso não os faz menos filhos de Deus.

Creio que devamos gastar um bom tempo lendo livros de qualidade e estudando a bíblia com afinco, mas não podemos perder de vista que fomos chamados a ser a luz desse mundo e o sal dessa terra, e só nos manifestamos assim quando há convivência com os perdidos e quando exaltamos a Cristo. É uma lástima que nós, os reformados que tão mal falamos dos pentecostais que consideram suas referências como inerrantes ou da “geração gospel” que idolatra cegamente os cantores que têm disseminado heresias terríveis através da música, também caímos nessen tipo de cilada. Quando algum dos nossos “papas” fazem conjecturas estranhas acerca de algo, procuramos logo uma justificativa que nos convença e nos armamos para defendê-los com unhas e dentes. Além de que quando falamos sobre Calvino e Lutero, o fazemos como se falássemos do próprio Cristo, que não teve pecados e nem em sua boca se achou engano. Certamente você já ouviu a estúpida frase de que “o calvinismo é o Evangelho”. O calvinismo é uma sistematização teológica,  e como qualquer outra interpretação humana, está sujeito a erros. Não há dúvida de que os reformadores foram homens cheios do Espírito Santo e usados por Deus para trazer a igreja de volta aos trilhos, mas como qualquer ser humano, tiveram seus erros e falhas. Interessante é que Deus não escondeu os erros dos grandes homens da Bíblia, mas nós ficanos cheios de “veja bem” quando questionados acerca dos erros dos reformafores ou dos expoentes da teologia reformada. Muitas vezes tem nos faltado amor e sobrado pedras na hora de anunciar em quais pilares carcamos nossa fé. 

Quanto aos nossos irmãos pentecostais – sim, eles são nossos irmãos -tenho visto seu desdém, principalmente nas redes sociais e isso muito me entristece. Ouso parafrasear a pergunta que Paulo fez ao povo de Corinto: “Acaso está Cristo dividido? Ou os reformadores morreram por vocês e o pessoal da Rua Azuza morreu pelos pentecostais?”. A Igreja de Cristo é única e nela existem tanto pentecostais quanto reformados. Não seja tolo a ponto de generalizar os pentecostais, nivelando-os àqueles que de fato fazem zombaria com o Evangelho,  assim como eles não devem nos colocar no mesmo balaio dos arrogantes que se acham melhores por terem mais graduação teológica. Precisamos entender que o movimento reformado tem 500 anos e o pentecostalismo por volta de cem. Eles ainda são meninos na fé e pela graça de Deus, muitos tem se alinhado às doutrinas da graça. Podemos divergir em alguns pontos, porém aquilo que é central e em comum, nos une. Há bases bíblicas para cada lado defender sua posição e perder tempo debatendo assuntos secundários é perder a chance de usá-lo para a glorificação de Cristo. Sugiro que você procure um irmão pentecostal e busque conhecer mais à fundo aquilo que ele crê, examine tudo. Faça o mesmo com ele e pontue tudo aquilo que nos é central no que diz respeito à nossa fé. Edifique e seja edificado com os irmãos que crêem diferente (aprnas no que é secundário)  e o Reino dos Céus será expandido sob essa terra!

Pense nisso! Não seja um arrogante que pensa saber tudo acerca da fé, talvez você tenha um coração muito sincero, mas que ainda assim é enganoso. Não basta a sinceridade, a transformação pelo Espírito também acontece na convivência e comunhão com os irmãos. 

Deus te abençoe!

Compartilhe com seus amigos Compartilhe com seus amigos

O SANGUE DE VALDEMIRO SANTIAGO TÊM PODER!

O SANGUE DE VALDEMIRO SANTIAGO TÊM PODER!


O “Apóstolo” Valdemiro Santiago não perdeu tempo para traçar um plano de marketing ao que poderia ter sido uma verdadeira tragédia. No último domingo, 08/01/17, um homem com um facão enferrujado o golpeou no pescoço. O líder da IMPD foi socorrido ao Hospital Sírio Libanês (um dos mais caros do país) e passa bem.
Como é chegado em uma macumba travestida de ponto de fé, a equipe do Valdemiro já fez questão de usar a camisa com sangue e dizer que as pessoas que tocarem nela viverão milagres extraordinários.
Não existe palavra melhor para definir essa corja: EXTRA ORDINÁRIOS!
Esse cidadão demonstra claramente ter o espírito de anticristo que quer tomar o lugar de Deus e ser adorado como Ele.
2 Tessalonicenses: 2. 3-4 Ninguém de modo algum vos engane; porque isto não sucederá sem que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem do pecado, o filho da perdição, aquele que se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, de sorte que se assenta no santuário de Deus, apresentando-se como Deus.
Tito: 1. 16. Afirmam que conhecem a Deus, mas pelas suas obras o negam, sendo abomináveis, e desobedientes, e réprobos para toda boa obra.
Que o autointitulado apóstolo Valdemiro se arrependa das blasfêmias que tem proferido e passe a pregar o verdadeiro Evangelho. Que a Igreja Mundial não seja apenas do “Poder de Deus”, mas também da “Proclamação do Evangelho que Salva”

Compartilhe com seus amigos Compartilhe com seus amigos

As Igrejas não são todas iguais

As Igrejas não são todas iguais

Por Thiago Schadeck

Com o crescimento das igrejas neopentecostais e sua superexposição na mídia com promessas de milagres em troca de dinheiro, os crentes são colocados todos no mesmo balaio. Os de fora nos julgam na mesma régua dos exploradores da fé. Sim, a igreja evangélica degringolou muito do início dos anos 90 pra cá. A queda tem se tornado latente a cada dia e nitidamente temos entrado por um caminho de destruição. Com as próprias mãos, falsos profetas tem destruído o caminho que seus precursores tanto suaram para abrir. 

Já reparou que não basta mais dizer que você é evangélico, mas tem que detalhar como é. “Eu sou evangélico, mas não tenho nada a ver com aqueles da tevê e não creio nas profecias daqueles da rádio, nem acho certo essa exploração dos pobres em nome da fé”. Até pouco tempo, bastava se dizer evangélico que a outra pessoa já sabia no que você cria, como levava a vida, seu caráter e etc. Na década de 90 se um pastor fosse abordado em uma operação policial e se identificasse como tal, o policial o liberaria na hora. Se isso acontecer hoje, o policial vai pedir uma revista mais detalhada aos seus parceiros. Não foram os policiais que se tornaram preconceituosos, foram alguns pastores que abandonaram a verdadeira fé e agora denigrem os demais.

Vejo muitos desigrejados usando a desculpa de que não existe mais nenhuma igreja que não se corrompeu e, por isso, desistiram de congregar. Concordo que há muitas igrejas que se perderam e servem muito mais a Satanás que a Deus, mas dizer que não há nenhuma igreja boa é o mesmo que dizer que todos os desigrejados são rebeldes e insubmissos que saíram da igreja porque não querem compromisso. Ou seja, em ambos os casos há uma generalização e como tal é preconceituosa e burra.

Deus ainda guardou para si o remanescente, os joelhos que não se dobraram à Baal. Claro que existirão erros em todas as igrejas porque elas são um ajuntamento de pessoas. Impossivel a reunião de imperfeitos poderia resultar em algo perfeito. Mas Deus, em sua infinita misericórdia,  não deixou que o Evangelho se tornasse falho ou imperfeito e ainda há pessoas que buscam viver esse evangelho de forma plena. Pessoas que estão em igrejas qur se reunem em templos, que são institucionalizadas, que tem hierarquia e liturgia. Homens e mulheres sedentos por conhecer e servir ao Deus verdadeiro. Pessoas que querem viver uma igreja diferente, que se reúne em templos, mas que não está presa à eles. 

Igrejas, assim como nós, não são todas iguais e não se pode rotular. Existem as ruins e devemos correr delas como o Diabo foge da cruz. Porém existem sim as boas e devemos correr para ela assim como o filho pródigo correu de volta para o Pai. Igrejas boas e saudáveis são compostas por pessoas com compromisso com Deus. Elas se tornam uma hoa trincheira para proteger e sarar o soldado ferido, até que ele esteja pronto para voltar à batalha e resgatat os que são seus. A verdadeira igreja funciona como um hospital, acolhendo os feridos e os tratando. As cicatrizes da batalha ficam, talvez surjam novas, por conta das intervenções cirurgicas, mas elas não doem. As cicatrizes servem para nos lembrar que algo nos machucou, mas que é algo resolvido em nossas vidas.

É importante procurar uma igreja saudável porque nela cresceremos e ajudaremos as pessoas a crescerem. Assim abencoaremos e seremos abençoados. LEMBRE-SE: IGREJAS NÃO SÃO TODAS IGUAIS!!!

Compartilhe com seus amigos Compartilhe com seus amigos