Mês: Abril 2016

Lei proíbe que igreja receba doações em dinheiro

Lei proíbe que igreja receba doações em dinheiro

image

Por Thiago Schadeck,

Está em tramitação uma lei que proíbe igrejas de receberem doações em dinheiro. A partir da data de sanção, nenhuma igreja mais poderá aceitar dinheiro dos fiéis, sob o risco de multa e se reincidir, ter o alvará caçado e seu salão lacrado. Havendo violação do lacre, o pastor será preso.
Mas se a igreja precisa de dinheiro para se manter aberta, como então isso será possível? O texto da lei propõe algumas formas:

Salão / Templo: Se a denominação não tiver templo próprio, que algum membro ceda o espaço. Caso não seja possível e haja real necessidade de alugá-lo, que os membros dividam o pagamento e quando o valor total for atingido, não se arrecade nem um centavo a mais.

Contas de água, luz e demais tributos: que mensalmente, em um dia combinado com todos os membros, sejam apresentadas à toda congregação as contas que devem ser pagas naquele mês e que os membros se organizem para pagá-las. Da mesma forma que o aluguel, deve-se arrecadar apenas o valor exato para o pagamento, sujeitando o pastor às mesmas penas, em caso de descumprimento.

Outras despesas específicas: Havendo necessidade de reparo no templo ou algo similar, o pastor deve apresentar à igreja quais são as necessidades tanto de material quanto de mão de obra. Os membros devem organizar-se para comprar os materiais e, se puderem, oferecer a mão de obra, caso não haja ninguém qualificado para o trabalho na igreja, que seja contratado um profissional, desde que o pagamento seja feito pelos membros que assim desejarem e pagos diretamente ao profissional. Deverá ser registrado um contrato, de forma que seja possivel auditar os pagamentos aos profissionais.

Salário do pastor: Deverá ser votado pela igreja se o pastor receberá salário ou não. O voto deve ser secreto. Caso a igreja entenda que o pastor deverá receber salário, ele deverá cumprir a jornada diária de no mínimo 6 horas, de segunda a sexta.
O salário do pastor deve ser entre um e três salários mínimos vigentes, tendo o pastor direito optar pelo não recebimento. Se a opção for em recebê-lo, o pastor fica proibido de exercer qualquer outra atividade remunerada.

Claro que esse projeto de lei não existe, mas poderia trazer alguns ganhos à igreja:

1- Os pastores poderão provar que realmente crêem no sustento de Deus e colocar o seu chamado à prova, visto que viveria o que prega.

2- Ficaria nítido a todos quem prega o Evangelho por amor e quem o faz por interesse e ganância.

3- Os membros não seriam explorados em nome de um deus que exige sacrifícios financeiros e que quando não cumpre o prometido coloca a culpa na suposta falta de fé do fiel.

4- Teriamos uma redução drastica na quantidade de igrejas no Brasil, mas as que ficassem abertas teriam responsabilidade e respeito na relação com o dinheiro de seus membros.

Infelizmente a nossa realidade é muito diferente dessa proposta!

Compartilhe com seus amigos Compartilhe com seus amigos

Decepcionados com a igreja

Decepcionados com a igreja

images (1)

Por Thiago Schadeck,

A cada dia cresce a quantidade de pessoas decepcionadas com a igeja e que decidiram caminhar sozinhos, servir a Deus em casa. São os que chamamos de desigrejados. Por conta feridas causadas pela igreja, essas pessoas decidiram não ter mais qualquer envolvimento congregacional, assim, pensam eles, estão livres de novas decepções.
Isso pode acontecer por diversos motivos, mas creio que os principais sejam os abaixo:

– Promessas não cumpridas:
Esse problema acontece principalmente nas igrejas pentecostais e neopentecostais, onde as profecias e revelações têm grande espaço e os charlatães se aproveitam. Pessoas que fingem ter o dom de revelação, mas que na verdade mentem. Escrevi um texto chamado Pastores Videntes e colocarei o link no final desse texto. Imagine você receber uma profecia que seu filho será curado e vai para a casa feliz da vida, mas no dia seguinte ele morre. Você terá mesmo fé para continuar se relacionando com uma igreja? Pior, se for reclamar com o “profeta” ele provavelmente dirá que a culpa é sua, foi você que não teve fé o suficiente.

– Já dei tudo o que tinha:
Não raro pessoas entregam tudo o que têm em forma de oferta, dízimo, primissa, voto, desafios e etc. Essas pessoas são alimentadas pela ganância que a própria igreja implanta nelas. A igreja gera a ganância, pede dinheiro e não entrega o que prometeu porque alega ser pouco, o fiel dá mais esperando receber muito e essa roda faminta só para de girar quando os recursos do fiel se esgotam. Quando isso acontece, a ovelha está desnutruda e sem lã, então é abandonada ao léu e que se vire.

– Não vivem o que pregam:
A crise moral do Brasil não está só no governo. Ela chegou muito forte na igreja. Pastores que deveriam ser o exemplo, mas estão envolvidos até o pescoço em falcatruas, sejam elas eclesiásticas ou não. Você sabia que se ao financiar um veículo alguém colocar “Pastor” na profissão, a proposta é automaticamente negada? Sim, os pastores são extremamente mal vistos, e não sem razão. Basta ver nossa bancada evangélica no governo. Veja quantas igrejas mudam de salão a cada três meses porque não paga o aluguel. Quantos pastores denunciados por utilizar o dinheiro da igreja como se fosse seu.

  • São rebeldes:
    Tem também essa situação, e digo que é uma fatia considerável dos desigrejados. Pessoas que não querem qualquer compromisso, não tem desejo de servir, mas de liderar e ser destaque. Pessoas que criticam pela crítica e não para transformar em algo melhor. São críticos, mas não autocríticos. Muitos desigrejados o são porque não querem ter ninguém a quem prestar contas, querem ser donos dos seus próprios narizes espirituais e, por isso, acabam decidindo se afastar.

Sei que congregar e se manter em comunhão com os irmãos e com a igreja não é fácil. Onde há ajuntamento de pessoas com opiniões, criações, costumes diferentes, existirá, vez ou outra, confusão. Isso serve tanto para a igreja como família, trabalho, estudos e etc. O que os desigrejados acabam perdendo é a chance de se relacionar com pessoas que podem se tornar verdadeiros irmãos no momento de adversidade. De abençoar e ser abençoado. Rir e chorar com quem precisa. Provar da comunhão comunitária sabendo que na necessidade terá amigos para ajudar.

Mesmo sendo difícil, continuo lutando pela igreja. Não pela instituição, mas pela unidade e comunhão com o corpo. Caminhando juntos, rumo à salvação eterna, nos reunindo constantemente, falando entre nós os Salmos e cânticos espirituais. Sendo parte do corpo, insubstituível e indispensável!

Que Deus nos dê a Sua maravilhosa graça e nos guie pelo Seu Caminho.

Compartilhe com seus amigos Compartilhe com seus amigos

Em quem está sua fé?

Em quem está sua fé?

image

Por Thiago Schadeck

Com a expansão das igrejas neopentecostais e sua invasão à mídia, principalmente radio e tevê, houve uma banalização absurda do que é fé. Prometem que através da fé você pode ter o que quiser, principalmente bens materiais. Pior que isso, estão emprestando a fé aos que não tem – e cobrando mais que agiotas – para que as pessoas realizem seus sonhos terrenos e carnais. A fé passou a ser um fim em si mesmo, colocando sobre ela um poder quase que mágico para realizar tudo o que quiser,  inclusive manipular a Deus.
Claro que a fé é poderosa e capaz de realizar feitos magníficos. Sim, os apóstolos de Cristo operavam milagres maravilhosos através da fé. Mas a fé vai muito além de milagres. Aliás, ela é um instrumento para o maior de todos os milagres: A SALVAÇÃO! A fé que opera em nós, nos faz crer que um dia Cristo morreu na cruz para pagar os nossos pecados, através dEle fomos adotados como filhos de Deus e que Ele voltará um dia e nos levará para estamos juntos na Sua glória, eternamente.
Mas infelizmente o que vemos hoje não a fé que o escritor aos Hebreus cita no capítulo 11, nem a de Paulo em Gálatas 2:20 ou sequer a que Jesus ensinou nos Evangelhos, digo isso pelo simples fato que nenhuma passagem bíblica, em especial no Novo Testamento, nos autoriza a colocar a fé em qualquer outro lugar que não em Deus.
Ainda que involuntariamente, grande parte das pessoas que vão à igreja hoje, está lá porque aquele pastor/bispo/apóstolo é um ungido para oprerar maravilhas e ele vai me curar, libertar meu filho das drogas, restaurar meu casamento, abrir porta de emprego e por aí vai. Isso é nítido nos testemunhos: “desde que comecei a vir aqui nessa igreja e o senhor orou por mim, o milagre aconteceu…”.
Além dessa aberração de chamarem para si a responsabilidade do milagre, ainda inventaram os malditos objetos ungidos e dotaram sobre eles um poder sobrenatural. Agora além de Deus e do líder, os objetos também podem te dar aquilo que você espera. E tem de tudo! Copo d’água, lenço, sal, rosa, chaveiro, vassoura, foto, arca da aliança, votos, sacrifícios, carnês e etc. São os bezerros de ouro da nossa geração. Estamos como o povo no deserto dizendo a Arão que era melhor construir um deus para ser adorado porque talvez Moisés tivesse morrido e eles estariam abandonados. Hoje, ainda que sem se dar conta esse povo diz aos líderes: “Faz muito tempo que Cristo prometeu vir nos buscar, talvez ele nem venha mais. Vamos fazer outras coisas para colocarmos a nossa fé, assim nos sentimos melhores”. E assim se apegam à pessoas, objetos, métodos, igrejas e tantas outras coisas, mas na verdade estão longe de Deus.
Como bem prodetizou o profeta Isaías e reforçou o Senhor Jesus:  “Este povo honra-me com os lábios; o seu coração, porém, está longe de mim. (Mateus 15:8)”. Muitos crentes tem falado de um Jesus que eles nem conhecem ou que não existe, visto que o “Jesus” anunciado por aqui nem sempre é o da Bíblia.
Há alguns anos seria impossível chegar na casa de um crente e encontrar uma Bíblia aberta no Salmo 91 com o pretexto de trazer proteção ou sal na janela para proteger da entrada de espíritos maus. Hoje isso não só é normal como quem não faz é tido como cético.
Que a igreja de Cristo se volte a Ele e, como Paulo, pregue apenas Cristo e ele crucificado. Que Deus restaure a sua igreja e ajunte os remanescentes para anunciar o verdadeiro evangelho, que não é popular, mas ainda tem poder para salvar!

Oremos pela igreja em nossa nação, que não sabe o poder que teria para mudar a situação do nosso país!

Compartilhe com seus amigos Compartilhe com seus amigos